Partidos de centro e esquerda estudam se unir em federação para sobreviver a Bolsonaro

 

Foto: reprodução

A dificuldade de unir partidos de centro como PSDB, PSB, PV, PSD e setores do MDB e do DEM em uma única legenda fez surgir uma nova ideia: a formação de uma federação de agremiações que passassem a atuar em conjunto no Congresso e nas eleições. Haveria uma vantagem em relação à criação de um novo partido: na federação, cada legenda mantém sua estrutura e seu fundo partidário, em geral de alguns milhões.

Lideranças do PSB, do PSDB e do DEM já conversaram. A ideia é juntar o governador Márcio França (PSB-SP), de SP, Geraldo Alckmin (PSDB-SP) e Rodrigo Maia (DEM-RJ), entre outros, em torno do projeto.

A federação vincularia as legendas, pelos próximos dois anos, tanto em votações da Câmara dos Deputados e do Senado como nas eleições municipais.Todos os partidos seriam obrigados a lançar, juntos, um mesmo candidato nas cidades em que concorrerão às prefeituras. 

A possibilidade de criação de federações de partidos foi rejeitada em 2017. Mas outras propostas ainda tramitam no Parlamento e poderiam ser aceleradas caso as negociações vinguem. Pelos cálculos de uma das principais lideranças que participam dos diálogos, uma federação de centro somada a outra, de esquerda, poderia chegar a 300 parlamentares na Câmara. Seria a sobrevivência “da política” diante da ameaça de rolo compressor do futuro governo de Jair Bolsonaro. (Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo)

Maitê Proença confirma ter sido sondada para o Ministério do Meio Ambiente

Foto; reprodução

Maitê Proença foi sondada para assumir o comando do Ministério do Meio Ambiente. A própria atriz confirmou a informação, mas ressaltou que, por enquanto, seu nome é “apenas uma ideia”.

“A ideia é tirar o viés ideológico a que o setor ambiental ficou associado. Trazer um nome que possa abrir as portas que se fecham para os ecologistas. Um nome ligado às causas ambientais, mas que circule nos diversos meios de forma isenta. E que possa colocar a pasta acima de picuinhas políticas. Concordo com tudo. Mas o meu nome é apenas uma ideia”, disse ao jornal O Globo.

A pasta do Meio Ambiente se tornou uma das maiores polêmicas da transição para o governo Jair Bolsonaro (PSL). O presidente eleito chegou a considerar a possibilidade de uma fusão com o Ministério da Agricultura. Porém, diante da repercussão negativa — inclusive com manifestações de funcionários e até do atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi —, Bolsonaro decidiu recuar e manter as duas pastas.

Ainda segundo O Globo, apesar de não ser política, a atriz conta com bom trânsito na área ambiental e tem proximidade com Bolsonaro. Ela é ex-mulher e tem um filho com o empresário Paulo Marinho, que participou da campanha do presidente eleito. Ao jornal, porém, o empresário disse que “já deu sua contribuição”, não participa do governo e considerou a indicação de Maitê como “uma loucura”: “Não sei de onde tiraram isso”. (Via Diário de Pernambuco)

 

General Fernando Azevedo e Silva será ministro da Defesa de Bolsonaro

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) confirmou nesta terça-feira (13) o nome do general do Exército Fernando Azevedo e Silva como ministro da Defesa. Militar da reserva, Silva foi chefe do Estado Maior e assessorava, desde outubro o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

O comunicado foi feito por meio da página de Bolsonaro no Twitter, meio habitual de comunicação do presidente eleito. Silva foi ajudante de ordens do ex-presidente Fernando Collor de Mello e chefe da assessoria parlamentar do comandante do Exército.

O general Heleno tinha sido cotado para a Defesa, mas acabou sendo alocado no Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Ficará, assim, mais próximo a Bolsonaro, no Palácio do Planalto.

O general é o sétimo ministro anunciado pelo futuro governo Bolsonaro. Até o momento, o presidente eleito já indicou:

Na composição atual do governo existem 29 ministérios, e o presidente eleito já disse que pretende reduzir o número para 15.

Antônio Fernando avança na luta pela instalação de campus da UPE em Ouricuri

Antes mesmo de assumir o mandato na Assembleia Legislativa, o deputado estadual eleito Antonio Fernando (PSC) já arregaça as mangas para retribuir os 18.273 votos  que recebeu em sua cidade, Ouricuri, onde foi majoritário com larga diferença para o 2º colocado. “A ideia é retribuir com muito trabalho, porque essa não foi uma vitória minha, foi uma vitória do povo”, diz Antonio Fernando. Com essa disposição, ele não perdeu tempo para iniciar a defesa de seu projeto de instalação de uma universidade pública em Ouricuri.

Nos últimos dias, Antonio Fernando tem se movimentado para garantir a instalação de um Campus da UPE na cidade. “Conversei com o reitor da UPE e também tive um encontro com o Governador Paulo Câmara onde tratei sobre isso. A boa notícia é que o Governador foi favorável à nossa proposta e declarou que, no que depender dele, a juventude de Ouricuri vai ter direito de estudar numa unidade da Universidade de Pernambuco – UPE, sem precisar mais se deslocar para outros municípios”, comemorou o deputado eleito.

De acordo com Antonio Fernando, não faltam argumentos para que a sua proposta de educação superior pública e gratuita seja concretizada na segunda maior cidade do Araripe.

“Araripina já tem faculdades de direito, agronomia, contabilidade e de formação de professores. Nestas, os estudantes do Piauí e Ceará são maioria (cerca de 60%). Ou seja: as faculdades de lá vêm favorecendo mais os estudantes de outros Estados”, constata.

Antonio Fernando ressalta uma questão crucial no Sertão, que são as distâncias: “Foi feito um levantamento comparativo das distâncias de Ouricuri e de Araripina em relação às demais cidades do Araripe. Somente em um dia, a soma das distâncias para Araripina é maior em cerca de 900 km. Em um mês de aulas, a diferença chega a 18 mil km. Em um ano letivo (cerca de 10 meses), a distância para Araripina chega a ser 180 mil km maior”, explica o deputado eleito.  Segundo ele, “isso significa perda de tempo para os estudantes, gasto para as prefeituras com ônibus carregando os alunos e maior possibilidade de acidentes. Por isso, um campus da UPE em Ouricuri tornaria mais viável a vinda de alunos de todas as dez cidades do Araripe e do Sertão Central, tais como Parnamirim e Terra Nova. Em contrapartida, a instalação em Araripina favoreceria mais os alunos do Piauí e do Ceará, como já acontece atualmente”.

Toda a defesa de Antonio Fernando por um polo educacional em Ouricuri é baseada em dados consistentes. “O município de Ouricuri é cortado por duas estradas em forma de cruz, que cobrem toda a região. Dentro de um raio de 60 km ficam as dez cidades do Araripe com uma população de 360 mil habitantes. Se o raio for ampliado para 100 km, o círculo engloba uma população superior a 1 milhão de habitantes. Nem Petrolina e Caruaru têm uma posição geográfica com uma densidade populacional dessa magnitude”, explica.

Em suas análises, Antonio Fernando vai além: “O Crato, o Juazeiro do Norte e Barbalha, no Ceará, ficam a uma distância de 100 km. Juntas, essas cidades têm uma população superior a 600 mil habitantes. Sendo assim, Ouricuri é claramente o melhor local para implantação não só de um polo regional de educação superior como também de saúde. Sem esquecer que nós já merecemos a implantação de um aeroporto regional, já que até a década de 1960 Ouricuri tinha um aeroporto que recebia dois voos semanais, transportando os passageiros do Recife para o Sertão do Araripe”, conclui. (Por Edmar Lyra)

Gabarito oficial do Enem 2018 sai na quarta (14); resolução pode ser visto no G1

O gabarito oficial do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) só será divulgado na quarta-feira (14) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Na mesma data, o governo também vai divulgar os cadernos de prova.

Enquanto a correção oficial não sai, o G1 apresenta o gabarito extraoficial e a resolução comentada de todas as questões.

Nesta segunda-feira (12), o G1 também terá um programa ao vivo em que os professores explicam as 10 questões mais difíceis e polêmicas do Enem. Ele começa às 14h.

Os candidatos que fizeram o Enem 2018 podem enviar dúvidas pelo Twitter usando a hashtag #G1noEnem. Professores do Sistema COC de Ensino vão explicar o raciocínio para resolver as dez questões.

Redação sobre manipulação de dados

O tema pedido na redação aos estudantes que prestaram Enem foi “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet“. A prova teve quatro textos motivadores, sendo que três deles são trechos de reportagens e um trouxe um gráfico com dados.

2º dia teve Minecraft e 30 minutos a mais

O segundo dia de provas do Enem 2018 teve questões sobre mutação genética, rastreamento de bagagem nos aviões e corrente elétrica dos peixes. Uma questão que se destacou foi inspirada no popular game Minecraft e exigiu dos candidatos conhecimentos para calcular a dimensão de um cubo.

Enem tem 66 eliminados e 29,2% de ausentes no segundo dia de provas

Ministro Rossieli Soares/Foto: Reprodução

No segundo domingo de provas, 1.610.681 estudantes faltaram ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o que representa 29,2% dos 5.513.726 inscritos. O índice é maior do que o do domingo passado, que foi de 24,9%, mas é menor que as taxas registradas no segundo dia de provas em 2016 e 2017. 

O ministro da Educação, Rossieli Soares, afirmou ser normal o aumento de ausências no segundo dia do exame. “O número de ausências foi menor que nos últimos anos, mas é um pouco maior do que no primeiro dia, o que é normal. Às vezes, o aluno não tem o desempenho que deseja ou imagina e acaba não indo no segundo dia”, argumentou.

Eliminados 

Neste domingo, 66 estudantes foram eliminados, a maioria por descumprimento das regras gerais do edital, como sair antes do horário permitido, usar material impresso e não atender a orientações dos fiscais. Dois foram eliminados na revista no detector de metais e por recusa na coleta dos dados biométricos.

Em nenhum local, a aplicação da prova foi suspensa. “A logística da aplicação funcionou maravilhosamente bem. Foi a melhor aplicação da história do Enem”, afirmou o ministro.

Os 1.752 participantes afetados, no domingo passado (4), pela interrupção de energia elétrica, em Porto Nacional (TO) e Franca (SP), têm direito à reaplicação, dia 11 de dezembro, das provas de linguagens, redação e ciências humanas. As provas para pessoas privadas de liberdade serão aplicadas dias 11 e 12 de dezembro. 

Gabarito

Os participantes responderam, neste domingo, às questões de matemática e ciências da natureza. Foram cinco horas para resolver 90 questões. As provas foram aplicadas em 10.718 locais, distribuídos em 1.725 municípios. São cerca de 600 mil pessoas envolvidas na aplicação do Enem. 

O gabarito oficial será divulgado em 14 de novembro, juntamente com os cadernos de questões. Já o resultado deverá ser divulgado até o dia 18 de janeiro de 2019.

A nota do Enem pode ser usada para concorrer a vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) ou a bolsas em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para participar do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). (Agência Brasil)

Brasil ocupa último lugar em pesquisa sobre professor

Foto: reprodução

A pesquisa foi realizada em 35 países pela Varkey Foundation e avaliou o ranking de prestígio de professores em vários países. O Brasil ficou em última posição, seguido de Israel (2º) e Itália (3º). Os países cujos professores têm o maior prestígio em sala e na sociedade são China (1º lugar), Malásia (2º), Tawain (3º) e Rússia (4º).

Na China, 81% das pessoas acreditam que os docentes são respeitados pelos alunos. No Brasil, menos de 1 em cada 10 brasileiros acha que professor é respeitado em sala de aula. O levantamento mostra ainda que 88% dos brasileiros consideram a profissão de professor como sendo de “baixo status”. (Via Blog do Magno Martins)

TRE-PE derruba cassação do Prefeito de Ipubi Chico Siqueira

Foto: reprodução

Por unanimidade, os Desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral – TRE/PE deram provimento total ao recurso e suspenderam o pedido de cassação e de inelegibilidade do Prefeito de Ipubi Chico Siqueira (PSB) e do Vice-Prefeito João Coutinho, pleiteado pelo grupo de oposição. Por 7×0, os Magistrados deram provimento ao recurso em ordem de afastar a cassação e a inelegibilidade, seguindo a recomendação do Ministério Público Federal, suspendendo em caráter imediato.

Na política, time de Bolsonaro tropeça na língua

Foto: reprodução

A articulação política de um governo com o Congresso exige a habilidade de um tecelão. A sutileza precisa ser ainda maior num instante em que um presidente eleito, Jair Bolsonaro, reivindica a aprovação de uma reforma previdenciária formulada na gestão do presidente que está em fim de linha, Michel Temer. A despeito disso, aliados de Bolsonaro resolveram cutucar o Legislativo com o pé para ver se os parlamentares mordem.

Até os líderes de partidos simpáticos a Bolsonaro estranharam o modo como Paulo Guedes, futuro ministro da Economia, cobrou a aprovação da reforma da Previdência. Ele disse: ”O presidente tem os votos populares e o Congresso a capacidade de aprovar ou não. Prensa neles, prensa neles, pede a reforma, é bom para todo mundo.” Prensa, como se sabe, é aquele aparelho mecânico que serve para achatar objetos.

Ironicamente, o próprio filho de Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, dissera que seria difícil aprovar a reforma previdenciária neste ano. Esse filho de Bolsonaro é o mesmo personagem que, no último final de semana, defendeu que o próximo presidente da Câmara tenha um “perfil trator”, para patrolar eventuais manobras da oposição.

A prensa e o trator aparecem no linguajar do poder numa hora em que Bolsonaro promete compor a maioria no Congresso sem o velho toma-lá-dá-cá. Os parlamentares olham a cena e se recordam de uma frase de José Bonifácio, um antigo deputado mineiro. Chamado de Zezinho Bonifácio, ele dizia: “Aqui no Congresso tem de tudo. Tem ladrão, tem honesto, canalha, gente séria… Só não tem bobo.” Deputado por 28 anos, Jair Bolsonaro deveria conhecer melhor a alma do Parlamento. (Josias de Souza)

Alckmin e Tasso saem do PSDB com bolsonarização

Políticos tradicionais estão saindo do aparvalhamento da derrota e preparam uma grande reorganização no quadro partidários depois do tsunami sofrido nas urnas. Em São Paulo, começa a se organizar um núcleo que reúne, nas conversas, o ex-candidato e ex-governador Geraldo Alckmin, o atual governador, Márcio França, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e o ex-ministro dos governos petistas Aldo Rebelo, entre outros. Amigos de Alckmin não descartam nem mesmo a possibilidade de que ele venha a deixar o PSDB se, na reunião da executiva no fim do mês, prevalecer a ideia de seu ex-pupilo João Dória de apoiar o governo Bolsonaro.

Da mesma forma como, em São Paulo, essa espécie de frente anti-Dória é o divisor de águas, para os tucanos a adesão ao governo de Jair Bolsonaro é o limite no nível nacional. Se prevalecer a posição de Dória, que marcaria sua hegemonia no partido, Geraldo Alckmin sai fora, levando um punhado de tucanos de raiz. De outro lado, o senador Tasso Jereissati, ex-presidente do PSDB, também está fazendo as malas e vi cair fora se se confirmar a “bolsonarização” do PSDB.

Seu rumo poderá ser um novo partido, que nåo fará oposição ferrenha a reformas importantes para o país, mas ficará longe do governo. Na avaliação desses políticos, terminada a lua-de-mel pós-eleitoral, haverá importante movimentação no quadro político, e aí sim as coisas vão ficar claras e poderá se abrir uma avenida para a atuação de outros partidos. Sob esse ponto de vista, que leva em conta fragilidade da base bolsonarista, é um erro acreditar que os políticos do establishment foram varridos do mapa. (Via Blog Magno Martins)