Prefeito Túlio Alves manda para a Câmara projeto de aumento da taxa de iluminação pública em Bodocó

A população de Bodocó, Sertão do Araripe, anda na bronca com o prefeito Túlio Alves (DEM) que enviou para a Câmara de Vereadores projeto de lei de número 024/2017, aumentando a contribuição de iluminação pública (CIP). A proposta do governo é alterar a tabela vigente, mas os vereadores da oposição prometem fazer barulho para que a Casa rejeite mais um aumento para o contribuinte bodocoense.

Vamos nos unir contra mais essa truculência e falta de sensibilidade com a população que está a mercê desse tipo de política inoportuna. Já não basta aumento de tantas coisas, gás, combustível, energia, impostos em geral,  imposto pelo governo federal e vem o governo municipal, através do prefeito Túlio Alves e seu secretário de Governo, Brivaldo Alves, querendo aumentar a taxa de iluminação pública. Sé você não concorda, una-se aos vereadores que estão lutando contra mais essa atrocidade da Prefeitura Municipal”, diz parte do comunicado dos parlamentares que estão lutando para rejeitar o projeto.

No texto, o prefeito justifica que são 14 anos de instituição da CIP sem ter havido qualquer alteração na tabela que encontra-se defasada, conforme argumento do gestor.

A tabela atual não cobre as despesas reais cobertas pelo município a título de consumo de energia., para isso a alteração é necessária para arrecadar valor compatível com a despesa”, justifica o prefeito em trecho do projeto de lei. (Por Roberto Gonçalves)

Diretor da Fetape, Ferrinho, diz que governo estuda cobrar taxa mensalmente de poços em Pernambuco

Em entrevista ao Blog do Cariri Filho e ao Programa Tribuna do Povo na Rádio Cultura FM de Ouricuri na segunda-feira (13), Ferrinho do Sindicato, ele que faz parte da diretoria do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município e é diretor de Meio Ambiente da Fetape, afirmou que a APAC está realizando estudos nos municípios pernambucanos com o objetivo de cobrar taxa de todas as águas que estão nas bacias dos rios.

Segundo Ferrinho, barragens e poços artesianos que tenham vasão maior que 3 mil litros e que tenham profundidade maior que 50 metros, que foram ou não construídos pela Codevasf também terão que pagar uma taxa ao governo do estado.

Confira os detalhes no áudio:

Bandeira deve ficar vermelha em outubro e taxa extra na conta de luz subir a R$ 3,50

A estiagem e a necessidade de uso mais intenso das termelétricas vão pressionar as tarifas de energia a partir de outubro. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou na sexta-feira (29) que a bandeira tarifária vai passar para vermelha patamar 2, o mais caro previsto, e a taxa extra cobrada nas contas de luz vai subir em outubro para R$ 3,50 a cada 100 kWh consumidos.

Seria a primeira vez desde 2015, quando o sistema de bandeiras foi criado, que a taxa extra de R$ 3,50 seria cobrada. No mês de setembro, vigorou a bandeira amarela, que aplica uma taxa extra de R$ 2 para cada 100 kWh de energia consumidos.

O sistema de bandeiras tarifárias começou a vigorar em janeiro de 2015 e foi criado para sinalizar aos consumidores o custo da produção de energia no país. O objetivo é permitir que os consumidores adotem medidas de economia para evitar que suas contas de luz fiquem mais caras nos momentos em que esse custo está em alta.

A cor verde indica que o custo é baixo. A amarela, que ele subiu um pouco. A vermelha, patamar 1, que está alto. E a vermelha, patamar 2, que está muito alto. (Estadão)