Em Ouricuri, Alunos estudam em escola improvisada com foice, facão, veneno, pichilingas e material de limpeza expostos

A mãe de um aluno da Escola Municipal José Isídio Lopes localizada na Fazenda Tamboril, zona rural de Ouricuri, reclama que os alunos começaram o ano letivo nesta segunda-feira (12), e que a escola improvisada está tomada por ferramentas, como foice, enxada e facão, sem falar em material de limpeza e até veneno que estão expostos na unida de ensino. A denúncia partiu por dona Larissa no Programa Tribuna Livre dessa segunda-feira (12) na Rádio Grande Serra FM Ouricuri.

Segundo Larissa, também existe nas imediações da escola improvisada, um pé de pimenta malagueta, pichilingas e que a escola se quer foi varrida para acomodar os estudantes, além de não dispor água para os estudantes. Ela pediu que seja tomada as providências no sentido que as crianças sejam tratadas com dignidade.

Acompanhe o relato de dona Larissa:

Aqui quem fala é Larissa do sítio Tamboril, hoje fomos deixar nossos filhos na escola que já está mais que atrasada por conta de uma reforma, ao chega lá, em uma casa que arrumaram para servi de escola, nos deparamos com foice, facão, enxada, muitas ferramentas, veneno, material de limpeza ao alcance das crianças, pé de pimenta malagueta , sem água e ainda por cima cheio de pichilinga e aranha, isso é uma vergonha , será que a secretaria de educação e o senhor prefeito (Ricardo Ramos) não está vendo isso? Espero uma resposta deles e que coloque nossos filhos em um lugar digno de se estudar.

Nem uma vassoura passaram para as crianças estudar, elas estão na sala no meio de um monte de coco de galinha. O nome da escola é, Escola Municipal José Isídio Lopes.

Espaço aberto para esclarecimentos.

Filho ameaça mãe com um facão para receber herança antecipada no Sertão de PE

Imagem ilustrativa da internet

Embriagado, um agricultor de 58 anos ameaçou a própria mãe para receber uma herança ainda em vida, e o caso terminou na Delegacia de Polícia de Afogados da Ingazeira, no Sertão do Pajeú.

O fato foi registrado neste final de semana, no Sítio Antonico, quando o agricultor foi até a casa da sua genitora para força-la a vender parte da terra e dar a sua parte.

A ousadia do filho terminou em agressão, uma vez que um outro irmão, de idade não revelada, tentou defender a mãe e pediu para que o agressor deixasse a casa. A reação foi uma luta corporal entre os envolvidos, quando o agricultor de 58 anos, de posse de um facão, atingiu o irmão com golpes na cabeça e no braço direito.

Toda a confusão foi assistida pela mãe, que sentiu-se mal foi socorrida às pressas ao Hospital Regional Emília Câmara. O caso foi registrado na delegacia de polícia como ameaça e lesão corporal. (Farol de Notícias)