Adolescente é acusado de agressão contra a mãe em Ouricuri

Imagem ilustrativa da internet

Um adolescente de 16 anos está sendo acusado de ter praticado agressão contra a própria mãe em Ouricuri, no Sertão do Araripe pernambucano. A mãe, uma agricultora de 37 anos, denunciou o próprio filho. O episódio aconteceu no inicio da noite dessa terça-feira (05) no Sítio Patí, zona rural de Ouricuri.

Segundo a Polícia Militar (PM), a agricultora relatou aos policiais que, o menor chegou em casa com sintomas de embriaguez alcoólica, falando palavras de baixo calão e  que a teria a pegado pelo braço e pescoço e a jogado no chão.

O menor foi encontrado na vizinhança com uma faca de mesa. Ele e a mãe foram conduzidos a Delegacia de Polícia civil de Ouricuri.

Jovem enciumado agride esposa, mãe e irmã menor em Araripina

violencia-crime-agressao

Júnior da Silva, de 20 anos, é acusado de ter chegado a sua residência na tarde dessa quinta-feira (24) no distrito do Moraes, zona rural de Araripina, e ter agredido a companheira, sua mãe e uma irmã menor de 15 anos.

Segundo a Polícia Militar (PM), o acusado chegou em casa com os ânimos alterados acusando a sua companheira, onde começou agredir a mesma, a mãe do jovem e uma irmã menor tentaram evitar a agressão, quando foram recebidas a tapas pelo indivíduo.

As vítimas informaram que o homem é usuário de drogas e que havia guardado uma “peteca” de maconha debaixo de um aparelho de som. A polícia apreendeu a droga, mas o acusado não foi localizado.

Primeira dama de Trindade é agredida por pré-candidato a vereador e familiares da pré-candidata a oposição de Trindade

13938616_1224567957614763_1864920238427513989_n (1)

Dra. Conceição Barros, esposa do candidato a prefeito de Trindade Dr. Everton Costa (PSB), acompanhada por familiares, se dirigiu até a delegacia Civil de Trindade para registrar ocorrência, devido sofrer agressão nessa madrugada (12/08), quando tinha acabado de fazer uma visita a um amigo que se encontrava enfermo.

O boletim de ocorrência foi realizado, onde a vítima afirma que quatro elementos em uma caminhoneta tipo ‘S10’ de cor prata e de placa NZB 6158, não tendo como a Dra. Conceição Barros, de início, identificar os ocupantes do veículo, passaram a persegui-la pelas ruas da cidade, passando receio de se tratar de algum tipo de assalto ou coisa do gênero.

As pessoas já identificadas Lenildo Carneiro (pré-candidato a vereador pela oposição), Rubens do Lava Jato, Alex de Messias (cunhado da pré-candidata da oposição) e Wellington Rodrigues, vulgo Bebezão (irmão da pré-candidata da oposição), pararam o veículo e começaram a tirar fotos da mesma sem a devida autorização, perguntando por que a mesma estava na rua até aquela hora e dirigindo-lhe em tom ameaçador, e depois passaram a agredi-la e lançar ameaças, sendo que o acusado Rubens da Lava Jato, foi o autor da tentativa de agressão com um pedaço de madeira e que os acusados Alex Messias e Lenildo Carneiro foram os autores da agressão do tipo empurrões. Segundo a Dra. Conceição os acusados só não conseguiram os objetivos  porque foram impedidos  pela pessoa de Antônio Correia que conseguiu tirar o pedaço de madeira das mãos do agressor.

As autoridades competentes investigam o caso para a conclusão do inquérito que confirmará a prática dos delitos de constrangimento ilegal e ameaças.     

 Fonte: Boletim de Ocorrência nº 16E0295000975

Violência leva ao SUS uma mulher a cada quatro minutos no país

MULHERE AGREDIDASOs atendimentos a mulheres vítimas de violência sexual, física ou psicológica em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) somam por ano, 147.691 registros – 405 por dia, ou um a cada quatro minutos. A maior procura por serviços de saúde após casos de agressão se dá entre adolescentes de 12 a 17 anos, faixa etária das duas vítimas de estupro que ganharam repercussão na semana passada, no Rio e no Piauí. Especialistas apontam para a necessidade de se encerrar a “lógica justificadora” que tenta lançar para as vítimas a culpa pelos crimes.

Os dados integram o Mapa da Violência – Homicídio de Mulheres, um dos mais respeitados anuários de violência do País. As estatísticas foram reunidas com base no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, que registra os atendimentos na rede do SUS. O relatório mostra que Mato Grosso do Sul, Acre, Roraima, Tocantins e Minas lideram a lista de Estados com as maiores taxas de procura por atendimento.

O registro mais recente do Sinan contém dados de 2014 – o estudo foi concluído no fim de 2015. O cônjuge da vítima aparece como o agressor mais frequente, responsável por 22,5% das ocorrências; outras pessoas próximas de adolescentes e mulheres também são apontadas como responsáveis por ataques, como namorado, ex-namorado, irmão, pai e padrasto. Em só 13% dos casos, a agressão é cometida por uma pessoa desconhecida. No caso do Rio, um dos suspeitos é ex-namorado da vítima de 16 anos que diz ter sido atacada por mais de 30 homens no Morro da Barão.

A normalidade da violência contra a mulher no horizonte cultural do patriarcalismo justifica, e mesmo ‘autoriza’, que o homem pratique essa violência, com a finalidade de punir e corrigir comportamentos femininos que transgridem o papel esperado de mãe, esposa e dona de casa”, aponta o Mapa da Violência – Homicídio de Mulheres. “Culpa-se a vítima pela agressão, seja por não cumprir o papel doméstico que lhe foi atribuído, seja por ‘provocar’ a agressão dos homens nas ruas ou nos meios de transporte, por exibir seu corpo.”

Ao Estado, Julio Jacobo Waiselfisz, coordenador da pesquisa e da área de estudos sobre violência da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), reforça a tese e diz ver uma reação conservadora à tentativa de ampliação de direitos pelas mulheres. “Na medida em que se criam condições sociais de proteção, mais violento se torna o agressor. É uma reação conservadora do patriarcalismo machista que persiste no Brasil”, diz Waiselfisz. “E, hoje, estamos assistindo a uma cultura em que está permitindo esse tipo de violência.”

Reincidência

Os dados do Mapa da Violência mostram também que são as mulheres jovens as que mais voltam para novos atendimentos no SUS após outros casos de violência. “A violência contra a mulher é mais sistemática e repetitiva do que a que acontece contra os homens. Esse nível de recorrência da violência deveria ter gerado mecanismos de prevenção, o que não parece ter acontecido”, diz Waiselfisz.

Para a secretária nacional de Direitos Humanos, Flávia Piovesan, “é fundamental trabalhar em educação e capacitação dos operadores da segurança pública e da Justiça para que entendam que a violência contra a mulher é gravíssima violação contra os direitos humanos”.

Ao Estado, ela afirmou também que são necessárias três linhas de enfrentamento do problema. “Precisamos adotar medidas eficazes no que se refere ao dever do Estado de investigar, processar e punir essas violações sob a perspectiva de gênero; adotar todas as medidas para dar total e integral apoio e assistência às vítimas; e adotar medidas preventivas, fomentando educação com parâmetros não sexistas e igualitários. Isso é o mais difícil”, diz Flávia.

Para a promotora paulista especialista em combate à violência doméstica Silvia Chakian, a solução passa pelo combate à impunidade dos agressores, mas também exige medidas educativas. “Os criminosos merecem uma punição exemplar, e essa punição tem de ser divulgada para a sociedade para combater a sensação de impunidade.”

Silvia destaca que o crime do Rio foi seguido por compartilhamentos de vídeos na internet por pessoas que faziam “piadas machistas e julgamento moral”. “Que sociedade é essa que um sujeito compartilha a prova do crime e se gaba dela? E quem são as milhares de pessoas que viram e compartilharam esse material, ajudando a perpetuar esse sofrimento?”, questiona. (Jornal O Estado de São Paulo)

Homem é preso acusado de agredir a própria mãe em Ipubi

agressao-contra-mulherO agricultor João Francisco de Moraes, de 20 anos, foi preso acusado de agredir a própria mãe, uma senhora de 48 anos. O crime aconteceu por volta das 09h50 de quinta-feira (11) na Rua Principal da Vila Sossego em Ipubi, no Sertão do Araripe pernambucano.

A Polícia Militar foi acionada até o local e constatou a veracidade da denúncia. O homem foi encaminhado a Delegacia de Polícia Civil de Trindade, também no Sertão do Araripe e segundo populares, as agressões contra a mãe acontecia com frequência. (Imagem: ilustração da internet)