Petrobras eleva preço do botijão de gás em 12,9% a partir desta quarta

A Petrobras anunciou nesta terça-feira (10) reajuste médio de 12,9% no preço do botijão de gás de até 13 kg a partir desta quarta-feira (11), devido à variação das cotações do produto no mercado internacional.

Caso o reajuste seja integralmente repassado pelas distribuidoras e revendedoras, o preço ao consumidor final pode subir em média 5,1% ou cerca de R$ 3,09 por botijão, estimou a Petrobras.

Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores”, destacou a Petrobras.

A estatal esclareceu que o reajuste atual não se aplica ao GLP destinado a uso industrial e comercial. O último reajuste ocorreu em 26 de setembro de 2017, quando o preço subiu em média 6,9%.

Em nota, o Sindigás, que representa as empresas distribuidoras, estimou que o reajuste oscilará de 7,8% a 15,4%, de acordo com o polo de suprimento. “A correção aplicada não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional. Com isso, o Sindigás calcula que o preço do produto destinado a embalagens de até 13 quilos ficará 6,08% abaixo da paridade de importação, o que inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento”, afirmou.

Pela nova política de preços adotada pela Petrobras, o preço do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) será revisado todos os meses.

Segundo a estatal, o preço final às distribuidoras será formado pela média mensal dos preços do butano e do propano no mercado europeu, convertida em reais pela média diária das cotações de venda do dólar, mais uma margem de 5%. (Terra Brasil)

Gás de cozinha fica 6,9% mais caro, anuncia Petrobras

A Petrobras anunciou nesta segunda (25) um reajuste médio de 6,9% no preço do gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso residencial vendido em botijões de até 13 quilos (GLP P-13). A estatal divulgou que a decisão, tomada por seu Grupo Executivo de Mercado e Preços (Gemp), será aplicada “sobre os preços praticados sem incidência de tributos”. O aumento entra em vigor nesta terça-feira (26).

A própria estatal calculou que, se repassado integralmente ao consumidor, o botijão de gás terá aumento médio de em 2,6%, ou cerca de R$1,55 por botijão, “se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos”.

Para o cálculo do aumento, a Petrobras considerou que o mercado de GLP “continuou mostrando-se pressionado por baixos estoques” e que “a proximidade do inverno no hemisfério Norte aumenta a demanda pelo produto”. O reajuste anunciado repassa a variação de preços do mercado internacional apresentada ao longo de agosto conforme política anunciada pela companhia.

Em agosto, a companhia já havia aumentado o preço do combustível, também em 6,9%. Desde então, o preço de revenda do botijão teve alta de 3,4%. (Agência Brasil)

Número de assassinatos de mulheres aumenta 13,9% em Pernambuco

morte-mulheresNo Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher, a Secretaria da Mulher de Pernambuco (Secmulher-PE) divulgou que, de janeiro ao dia 23 de novembro deste ano, foram registrados ao menos 246 casos de assassinatos de mulheres em Pernambuco. O número, contabilizado a partir dos dados da Secretaria de Defesa Social (SDS), representa um aumento de 13,9%, se comparado ao mesmo período de 2015. No ano passado, no mesmo período, foram registrados ao menos 216 homicídios.

Apesar do aumento do número de homicídios desse tipo no estado, os casos de violência contra a mulher, não necessariamente letais, chegaram a diminuir 3%, de janeiro a outubro deste ano, com 38.968 casos contra os 40.318 registrados em 2015. O estado foi o único da região Nordeste que conseguiu a diminuição, ainda que leve, no quadro geral de violência contra a mulher, apesar do aumento na violência no estado.

Bianca Rocha, da diretoria Geral de Enfrentamento da Violência de Gênero da Secretaria da Mulher de Pernambuco (Secmulher-PE), explica que, houve um aumento no sentimento de insegurança em todo o Brasil, e, por isso, o órgão decidiu reeditar a campanha Basta de Violência contra a Mulher. A mobilização começa nesta sexta-feira (25), Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher, e segue até o dia 10 de dezembro, quando é celebrado o Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Campanha
A mobilização consiste na divulgação de informações sobre violência contra mulher e, especialmente, na divulgação dos equipamentos de proteção disponibilizados às vítimas desse tipo de crime, como o 190 Mulher, que por meio de cadastro prévio dá prioridade a quem sofre violência nas ocorrências da Polícia Militar (PM). O período faz parte de uma série de ações realizadas no mundo inteiro, conhecido como 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Na campanha, foram escolhidas mulheres que, de fato, passaram pelo ciclo da violência e foram pelo estado. De acordo com Bianca, a baixa não deve ser comemorada, porque diariamente mulheres sofrem violência, mas, nos 10 anos da Lei Maria da Penha, várias ações têm sido criadas para dar assistência. “Temos quatro casas de abrigo para mulheres ameaçadas e 37 centros de referência no atendimento à mulher em situação de risco, além de outros 180 organismos de políticas para mulheres”, disse.

Fechando a programação dos 16 dias de ativismo, será realizado o Cine SecMulher-PE, nos dias 6, 7 e 8 de dezembro. A ação será promovida com reeducandas das colônias penais do Recife, de Abreu e Lima, na Região Metropolitana e de Buíque, no Agreste. (Do G1 Pernambuco)

Técnicos do TCU encontram indícios de irregularidades em 27,9% das doações após terceira semana de análises

201161dd-c673-433f-9c7a-d815c74070c6A equipe de técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) que trabalha no cruzamento de dados entre as prestações de contas e outras bases de dados para identificar possíveis irregularidades nas receitas e despesas de campanhas informadas por candidatos que disputam as eleições deste ano concluiu a terceira semana de análise, envolvendo o total de 649.132 registros de doação e 1.145.606 registros de despesas.

De acordo com os últimos dados consolidados divulgados pelo TCU, dos 330.574 registros de doação analisados até agora, foram identificados indícios de irregularidades em 92.276, o que equivale a 27, 9% do total. Já quanto aos registros de despesas com 399.602 fornecedores (empresas ou pessoas físicas), 5.482 demonstram algum indício de irregularidade, o que equivale a 1,4% do total, desde quando os batimentos começaram a ser feitos.

Os cálculos estão sendo executados semanalmente, em ambiente computacional do TCU, por auditores de controle externo especializados em entendimento de conteúdo e linguagem de bases de dados, cujo conhecimento está sendo fundamental para a construção desses cruzamentos.

Os resultados estão sendo transmitidos por um canal seguro ao TSE para envio aos juízes eleitorais nos municípios, que são responsáveis por verificar os indícios e tomar as providências cabíveis, assegurando aos envolvidos o direito ao contraditório e à ampla defesa.

O trabalho inédito é resultado de uma parceria firmada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e diversos órgãos públicos para fiscalizar a prestação de contas dos candidatos e coibir crimes eleitorais no período de campanha. Para preservar a identidade dos investigados, o TSE não divulgará os nomes dos doadores e beneficiários. (Do TSE)

Dilma anuncia aumento no Bolsa Família e correção da tabela do IRPF

BF

A presidente Dilma Rousseff (PT) anunciou nesse domingo (1º), durante festa do Dia do Trabalho organizada pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), em São Paulo, que vai reajustar em 9% o valor dos benefícios do Bolsa Família e corrigir a tabela do imposto de renda sobre pessoa física em 5%.

“Estamos autorizando um reajuste no Bolsa Família que vai resultar em um aumento médio de 9% para as famílias. Essa proposta não nasceu hoje. Ela estava prevista lá em agosto de 2015 quando enviamos o orçamento par ao Congresso. Essa proposta estava prevista, e diante do quadro atual, tomamos medidas que garantem aumento na receita neste ano e nos próximos para viabilizar esse aumento no Bolsa Família. Tudo isso sem comprometer o cenário fiscal”, afirmou Dilma.